O que é oratória e como melhorar?

oratoria_publico
Técnicas de Oratória

O que é oratória e como melhorar?

A oratória estabelece uma série de exercícios, treinamentos e técnicas para quem quer aperfeiçoar a arte de falar em público.

A oratória é uma habilidade de comunicação, que envolve a realização de discursos e apresentações impactantes. Falar bem em público requer capacidade persuasiva e argumentativa, a fim de informar ou convencer a plateia sobre uma determinada ideia.

Desde tempos muito antigos, essa habilidade já era necessária em muitas situações. Atualmente, estamos sempre tentando convencer um público (seja nas redes sociais ou em reuniões de negócios) de que nossas ideias são importantes. Do ponto de vista de liderança, a oratória também é uma habilidade essencial, que destaca um discurso dentre vários outros.

Como surgiu e para que serve a oratória?

A oratória surgiu enquanto tema de estudo no período dos gregos antigos, sendo parte importante da vida privada e pública. Autores como Aristóteles dedicaram boa parte de seus estudos ao desenvolvimento e aprimoramento da oratória, visto que essa habilidade é o que possibilita a comunicação, transmissão de conhecimento e convencimento acerca de uma ideia.

Já nessa época, o objetivo da oratória era encantar o público por meio de um discurso. Nesse sentido, as boas histórias são a principal ferramenta do orador. Destacava-se quem conseguia contar uma narrativa mais envolvente, capaz de instigar a imaginação, favorecer a compreensão, despertar paixão e influenciar a determinação.

Basicamente, a oratória se apoia em cinco elementos da comunicação: quem diz; o quê diz; a quem diz; por que meio diz e com que efeitos. Cada um desses pontos foi elaborado por meio de técnicas. Para ser um bom orador, é necessário dominar todas.

Resumindo: a oratória é o conjunto de técnicas que ajuda na transmissão de uma ou mais ideias. Sem essa habilidade, até mesmo conteúdos relevantes podem se tornar desinteressantes.

Algumas técnicas para aprimorar a oratória

Acima, citamos os cinco elementos básicos da oratória, que devem servir como um norte para iniciar os trabalhos nesse campo. Ao elaborar uma apresentação ou ideia, é importante pensar sobre o material que se tem em mãos. O objetivo é vender alguma coisa? Apenas informar sobre algum assunto importante? Instigar o seu público a uma determinada ação?

É importante pensar nos seus objetivos e no perfil da plateia. Com essas informações, é possível criar um roteiro que seja realmente interessante para ambas as partes. Recorrer a técnicas de narração de histórias também é uma ótima pedida para acessar a emoção do público.

Depois de mapear as suas ideias, objetivos e perfil do público, é hora de partir para o desenvolvimento das ferramentas corporais. Um bom orador utiliza a voz, o corpo e os olhos de forma combinada, rumo a um mesmo propósito: prender a atenção, convencer e persuadir.

Ajuste o tom de voz

Nossa voz é uma ferramenta poderosa que transmite variadas emoções e ajuda a determinar o tom de um discurso ou apresentação. Um bom orador sabe intensificar e aliviar a voz nas horas certas. Explorar volume e velocidade, por exemplo, são estratégicas necessárias para quebrar a monotonia da fala.

A voz é uma das principais ferramentas para quebrar a monotonia de discursos e apresentações. É por meio da voz que o público se conecta à história e ao orador. Explorar o volume da fala entre as frases, bem como a intensidade da voz, são ações estratégicas. Evite os vícios de linguagem para não distrair o público, e crie ênfase no final das frases para tornar o ritmo dinâmico.

Importância das pausas na oratória

Ainda pensando na linguagem oral, entenda e utilize as pausas a seu favor. Nenhuma plateia consegue assimilar muitas informações de uma só vez. Por isso, faça pequenos intervalos de discurso entre um tópico e outro, além de usar as pausas para causar surpresa.

A pausa ainda pode ser estratégica para o apresentador, servindo como um respiro e ajudando a articular melhor as palavras.

Explore elementos não-verbais

É fato que boa parte de um discurso ou apresentação é formado pela linguagem oral. Porém, também há os elementos visuais, que servem de apoio para o que é falado, ajudando a destacar informações. Quando esses elementos são mal utilizados, podem se tornar um problema para a imersão e engajamento do público.

Os tiques repetitivos do corpo, por exemplo, precisam ser eliminados. Repetir uma mesma postura ou movimento por diversas vezes vai impedir que a plateia se conecte com o conteúdo. Um bom orador também não pode ter uma linguagem corporal retraída e insegura.

Para aprimorar ainda mais os conhecimentos em oratória, conte com o time de especialistas da Escola SOAP. O curso Super! Oratória serve como um guia prático e online para quem quer se tornar um excelente orador.

Deixe aqui seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como posso te ajudar?